Ex-secretário Trigo exige fiscalização da Prefeitura

Segundo Trigo, desmantelamento da fiscalização do sistema de transporte contribui para manter a prefeitura na ilegalidade

A Prefeitura de Joinville nos governos de Luiz Henrique da Silveira e Marco Tebaldi deixou de cumprir com sua obrigação de fiscalizar e gerar dados próprios para controlar o sistema de transporte coletivo.

A lei que determina ser de responsabilidade do poder público, antes de conceder qualquer reajuste nas tarifas, gerar planilhas próprias com essa finalidade não está sendo observada. E pior, a Prefeitura autenticava as planilhas fornecidas pelas empresas concessionárias.

A situação foi revelada através de uma carta entregue pelo ex-secretário da Seinfra, Nelson Álvares Trigo, ao prefeito Carlito Merss, antes do prefeito assinar o aumento.

Durante quatro meses, Trigo avaliou todo o processo utilizado e afirmou que “não se pode desviar o foco das atenções para as planilhas fornecidas pelas empresas, quando o principal é a falta de fiscalização do sistema que é de inteira responsabilidade da Prefeitura”.

Na carta entregue ao prefeito, o ex-secretário condena de maneira veemente o esquema vigente: “O que eu fiz foi mostrar que só as empresas geram os números. A prefeitura, infelizmente, não. É preciso romper com este modelo”, frisou Trigo.

Outra constatação gravíssima revelada pelo professor Trigo mostra que ao longo dos últimos anos, a unidade de controle e fiscalização do transporte coletivo vinha sendo desmantelada. “Enquanto o sistema cresce, o número de fiscais diminuiu de aproximadamente 100 para os atuais 14, desrespeitando completamente a Lei Municipal 3806 de 16/10/98”.

Trigo inconformado

Mesmo depois de ter sido informado pelo ex-secretário Nelson Álvares Trigo das gravíssimas irregularidades que vinham desde as gestões anteriores, Carlito tomou uma atitude inesperada. Ao invés de romper com o modelo ilegal vigente, o prefeito fez igualzinho ao que o ex-prefeito sempre fazia.

Inconformado com a atitude do prefeito, Nelson Trigo renunciou em caráter irrevogável ao cargo de secretário de Infraestrutura.

Ao endossar com o esquema ilegal vigente, Carlito joga uma suspeição sobre todo o seu governo e demonstra fraqueza para enfrentar os grandes esquemas que prometeu combater.

Em 2003, Lula fiscalizou todos os contratos da gestão tucana

Em 2003, logo que assumiu o governo, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva cancelou R$ 6,8 bilhões de restos a pagar relativos aos convênios e contratos de emendas do Orçamento de 2002, para fazer um diagnóstico de obras e convênios assinados na gestão tucana, mas que não chegaram a sair do papel. Depois de praticamente um ano de fiscalização, só receberam recursos aqueles que estavam estritamente dentro da legalidade.

No início deste ano, o prefeito Carlito Merss reclamou ter herdado um rombo de R$ 100 milhões de reais de obras, de licitações e empenhos. Para gerenciar a pasta de maior orçamento do município, Carlito escolheu o professor Nelson Álvares Trigo, um dos profissionais de maior probidade e respeito na cidade.

Uma das espinhosas missões atribuídas ao novo secretário foi verificar a legalidade do reajuste que era concedido às empresas de ônibus. Ao se deparar com o fato da maior gravidade, em que a prefeitura e os governos anteriores não fiscalizavam o transporte coletivo, obrigação legal para aferir aumento, o ex-secretário Nelson Trigo denunciou o fato em carta ao prefeito.

Carlito não levou em consideração as denúncias de seu secretário e, diferentemente do presidente Lula quando assumiu o governo, foi às rádios para afirmar que fez “igualzinho ao que sempre foi feito”. Contra o aumento, o secretário Trigo resolveu sair do governo em caráter irrevogável há pouco mais de uma semana.

O ex-secretário da Infraestrutura Nelson Trigo justifica seu posicionamento frente à administração usando um exemplo simples. “Vamos supor que a prefeitura contrate uma empreiteira para pavimentar uma rua com asfalto que deve ter 5 cm de espessura”, comenta.

Obrigação

“Se a empreiteira apresenta uma nota com valor maior afirmando que a espessura do asfalto ficou com 8 cm, de nada vai adiantar ela me mostrar planilhas, datas, números e outros dados se eu não ir no local e fazer a medição”, continua o raciocínio.

“Aí eu pergunto: o controle foi feito pelo pessoal da Prefeitura? Se não como posso liberar o pagamento?”, questionou o ex-secretário.

“Essa é a obrigação da Prefeitura. Pagar ou conceder aumento sem fiscalização é ilegal. Imagina se como professor eu desse uma prova para o aluno corrigir. Estaria cometendo uma ilegalidade”, afirmou.

10 comentários:

Sr. Trapp disse...

Trigo o herói que faltava na prefeitura.

A cada reportagem eu fico mais convencido que o Carlito se deu mal ao apostar que o professor Trigo iria compactuar com os esquemas da Seinfra.

Nem todos são iguais, nem todos fazem rolo para se darem bem, nem todos mentem depois de chegarem ao poder.
VIVA a honestidade do Trigo.

Anônimo disse...

Falta e desmantelamento da fiscalização é uma verdade, mas o prefeito deixou os mesmo a comandar.
Por que até agora não foi ouvido ninguém da fiscalização?

Silvio Carmeini disse...

A comparação entre o presidente Lula e o prefeito Carlito é esclarecedora.

No caso do presidente, uma forte suspeita de que no ministério dos transportes, conduzido pelo PMDB, haviam superfaturamentos e "esquemas" entre as empreiteiras e o governo federal.

Lula não quis dar recibo de corrupto . Na verdade ele praticamente paralisou todas as obras nas rodovias.

Foi duramente criticado pela mídia que queria a continuidade do esquema reinante, mas resistiu e com isso ganhou capital moral para seu primeiro mandato.

Ja Carlito fez o contrário, manteve, no caso da Seinfra, o pior e mais nefasto esquema entre empresas e poder público.
Ao inves de enfrentar a ilegalidade praticamente afastou seu secretario de enfra estrutura.
Mentiu descaradamente ao negar que prometera baixar as passagens de onibus.

E, por fim, Carlito comprometeu seu capital moral. Fazer grandes obras não recupera descrédito tão profundo.

Anônimo disse...

no primeiro turno fui kenedy por conhecer o trigo.
no segundo fui de carlito pois sabia qeu o trigo estaria la
nopa me decepcionei com o carlito,pois ficou provado que onde o pt governa predomina o caos,minha esperança era qoue o carlito ao menos ouvisse as pessoa com indole e diginadade como o trigo
nao ouviu calou se e perdeu uma pessoa SÉRIA QUE TINHA EM SEU GOVERNO

Anônimo disse...

Onde estão trabalhando os fiscais de transporte da prefeitura concursados para trabalhar nos terminais? Em desvio de função? Nunca notei nehum nos terminais.
Será que eu não os vejo ou eles não estão lá?
Uma reportagem sobre isso seria legal.

faça a diferença disse...

Odir e IPTU
Odir Nunes ( PFL ) fez um pedido de informação que causará muita polêmica caso o vereador venha a divulgar o conteúdo da resposta. O vereador quer saber quem são os maiores devedores do IPTU, porque não fez isso em outras épocas? Por que somente agora? Será que vai ter coragem e ousadia de divulgar os nomes daqueles figurões da grana? Das grandes empresas que muitas vezes financiaram campanhas quem sabe de seu partido? Duvido tem que ser muito corajoso pra fazer isso, essa atitude é somente para dizer que esta fazendo alguma coisa, vamos ver se o vereador vai ser capaz o suficiente para divulgar os nomes, isso é somente fogo de palha. Será que o então vereador fez isso quando era diretor da Casan? com a agua?

Rodrigo Barbosa disse...

Alguem pode explicar porque o Carlito preferiu afastar o professor Trigo, brigar com o Kennedy, quebrar as promessas de campanha, ficar mal perante a opinião dos joinvilenses , só para agradar os donos (só os donos) das empresas de onibus.
A quem mais interessava o aumento ilegal?
O que que o Carlito leva nessa ?

Leonir Cesar disse...

Para que serve realmente essa tal de Seinfra? Ela trabalha para a cidade ou para a gidion e a transtusa? Essa Seinfra fiscaliza o que? Quantos funcionarios há na Seinfra? Quem paga os seus salarios? Eu tenho como fazer uma reclamação ao Seinfra? Vou ser ouvido por eles? A Seinfra fiscaliza quem? Aqueles fiscais que trabalham nos terminais fazem o que?

Anônimo disse...

A EXPLICAÇÃO É FALTA DE VERGONHA E INTERESSES FINANCEIROS.

Anônimo disse...

COntinuam dizendo que tem erro mas não dizem onde, assim é complicado!!