Irmão de novo secretário de Carlito é suspeito de distribuir dinheiro do “mensalão”

Por Leonel Camasão

Ariel Pizzolatti também possui condenação por improbidade administrativa na prefeitura de Pomerode

O mais novo membro do primeiro escalão do governo Carlito Merss (PT) pode trazer incomodo para a administração petista. Confirmado como novo secretário de Infraestrutura na última sexta-feira, Ariel Arno Pizzolatti (PP) tem um passado duvidoso em suas relações com o poder público.


Ariel é irmão do deputado João Alberto Pizzolatti Filho (foto), apontado pelo jornal “Folha de São Paulo” como “segundo homem” na distribuição de dinheiro ilegal para a bancada do PP no esquema de corrupção conhecido como “mensalão”.

As denúncias contra João Pizzolatti foram feitas por um ex-funcionário do Partido Progressista (PP), que encaminhou à CPI dos Correios uma lista de 22 deputados que se beneficiariam do pagamento de mesadas supostamente distribuídas a mando do líder do partido na Câmara, José Janene (PP-PR).

Na época do escândalo, o jornal “A Notícia” chegou a publicar, em 17 de julho de 2005, que Pizzolatti andava com malas cheias de dinheiro nos corredores da Câmara dos Deputados. Para tanto, chegava a se utilizar dos seguranças da casa para transportar as quantias.

Dos 18 deputados acusados de receber dinheiro do mensalão, quatro são do PP: José Janene (PP - Paraná), Pedro Corrêa (PP - Pernambuco), Pedro Henry (PP - Mato Grosso do Sul) e Valdão Gomes (PP - São Paulo). Pizzolatti seria o homem que distribuía os recursos ilegais para esses deputados.

Agora, na primeira administração petista de Joinville, o irmão do deputado acusado de fazer os pagamentos do mensalão irá assumir a secretaria de Infraestrutura (Seinfra). O lugar estava vago porque o ex-secretário, Nelson Trigo (PP), rompeu com o governo Carlito após este conceder um aumento de 12,2% nas tarifas do transporte coletivo da cidade.

O irmão do deputado acusado de ser um dos pagadores de propina, Ariel Pizzolatti, ainda não assumiu o cargo, mas desde a saída de Trigo, era tido como favorito pelos progressistas de Joinville para assumir a Seinfra.

Novo secretário já foi condenado por corrupção

A nomeação de Ariel Pizzolatti para a Seinfra deixa evidentes as boas – porém suspeitas - relações dos Pizzolatti com o PT. Além do esquema do mensalão, no qual o irmão do novo secretário é suspeito de ter ligações profundas, o próprio Ariel também já possui condenação em primeira instância por crime de improbidade administrativa ao lado do irmão.

Os dois foram condenados em uma decisão da juíza Iraci Satomi Kuraoka Schiocchet, da comarca de Pomerode. Os irmãos Pizzolatti eram sócios da Pizzolatti Engenharia, que celebrou seis contratos com a prefeitura de Pomerode entre janeiro de 1998 e junho de 2001. A Constituição Brasileira proíbe parlamentares de realizar negócios com órgãos públicos. Segundo a decisão da juíza, a escolha da empresa de seu em “processos licitatórios inequivocadamente viciados”.

Ao todo, os irmãos Pizzolatti são acusados de receber R$ 221.085 ilegalmente. A Pizzolatti Engenharia foi contratada para “serviço de assessoria e consultoria técnica em projetos de financiamento e desenvolvimento urbano", mas o Ministério Público diz que nunca ficou provado que o trabalho existiu.

Ariel foi condenado a devolver todo o dinheiro que recebeu da Prefeitura de Pomerode, além de perder os direitos políticos por nove anos e receber multa de duas vezes o que recebeu da Prefeitura entre 1998 e 2001. Ariel também ficou proibido de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou
incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de
pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário pelo prazo de oito anos.

O irmão deputado foi sofreu as mesmas punições, mas também foi condenado a perda do mandato de deputado federal e ao pagamento de multa no valor de 10 vezes da renda recebida como parlamentar.

Pizzolatti só exerce o mandato até hoje porque entrou com um recurso no Tribunal de Justiça de Santa Catarina. O processo está parado nas gavetas do TJ desde setembro de 2007.

Também foram condenados no mesmo processo o ex-prefeitos Henrique Drews Filho, Reimund Viebrantz e Magrit Krueger, além da Urbe Engenharia
e Consultoria Ltda., antiga Pizzolatti Engenharia.

8 comentários:

Sergio Francisco de Assis disse...

Na verdade o professor Trigo não saiu porque o Carlito concedeu aumento acima da inflação.

A razão principal foi a de que existe um esquema ilegal para dar aumentos para as empresas de onibus.

O que Trigo exigiu foi que a prefeitura deveria romper com o esquema ilegal, gerar planilhas proprias e fiscalizar o sistema.

Carlito fez o contrario. Endossou o esquema denunciado por Trigo e usou as planilhas (das empresas) ilegais para justificar o aumento.

Agora, com o Ariel fica tudo tranquilo. Com exceção do povo todos os demais envolvidos se darão muito bem.

É o jeito Carlito de governar

ALDO disse...

O que a matéria não diz é que o acerto definitivo foi feito em Brasilia entre o próprio Carlito e o deputado João Pizolati. O prefeito esteve em Brasilia nesta semana para tentar resolver de vez o impasse na SEINFRA. Encontrou-se com Pizolati e bateu o martelo.

Anônimo disse...

Kkkkkkkkkkkkk. olha só isso

http://www.clicrbs.com.br/eleicoes2008/jsp/default.jspx?uf=2&local=18&action=noticias&id=2232101&section=Not%EDcias

mario disse...

josé dirceu um dos mais poderosos da cupula do pt nacional esteve envolvido no escandalo do mensalão,na epoca da crise com toda as midias e a opinião publica contra o então ministro,o nosso deputado hoje prefeito de joinville não se importou em demonstrar apoio ao acusado.
hoje parece que os tempos do mensalão querem voltar.
que pena pra nossa cidade...

Anônimo disse...

Determinadas entidades empresariais de Joinville que cobraram tanto dos candidatos na campanha eleitoral de 2008, com arguições na área da saúde, da infraestrutura da cidade, os tais elevados, até a limpeza do Rio Cachoeira, agora estão quietas, silenciosas, talvez decepcionadas com a mesmice do atual des-governo que assumiu a prefeitura da maior cidade de Santa Catarina.

Onde está o novo salário dos médicos de Joinville?
Ou tudo se resume nas praças inauguradas festivamente, praças essas reformadas 99% por Tebaldi?

Estranho, muito estranho o silêncio das entidades empresariais , na cobrança das obras prometidas pelo prefeito do PT. O povo não é bobo.

Anônimo disse...

O melhor comentário de todos é o link para o clicrbs de outubro 2008.O que tá escrito não tem jeito de apagar né?.

Leonir Cesar disse...

Para o PT isso é normal, temos sorte que por enquanto é só um, ainda faltam 3 anos e 1/2 para o Carlito em Joinville, até lá virá outros deste calibre para cá.

Anônimo disse...

Ta na hora de mudar o slogan do jornal, a "insenção" faz tempo que deixou de ser usada, foi o PP romper com o PT e tudo servir de motivo para cair de pau no Prefeito.
Quem nao tiver um parente corrupto que atire a primeira pedra, nao e por isso que todos devem pagar.