Prefeitura quer trocar figueiras

Jacson Almeida
jacson@gazetadejoinville.com.br

O polêmico corte das 40 figueiras da Avenida Hermann August Lepper, a Beira-Rio, será discutido na Câmara de Vereadores no próximo dia 31, às 19 horas. A prefeitura, através da Fundação Municipal do Meio Ambiente (Fundema), sugere o corte e a substituição das árvores. Já o engenheiro civil Rogério Novaes afirma que deveria existir um controle de poda, pois as raízes crescem de acordo com o tamanho da copa das árvores. “As raízes estão assim devido ao descaso do poder público”, explica.

Segundo o diretor da Fundema, Marcos Schoene, tudo indica que as figueiras são inadequadas para este tipo de solo. Marcos argumenta ainda que, com o tempo, as raízes vão destruir o asfalto. “Está comprometendo o terreno”, afirma. A sugestão é a troca das figueiras por outras árvores que também deem sombra, sejam bonitas e não destruam a estrutura.

Rogério Novaes diz que a substituição das árvores é uma proposta antiga e razoável, entretanto, não existe nenhum ponto negativo na espécie. Para ele, se removerem as figueiras, a avenida perde sua beleza atual e o conforto. O engenheiro explica que cada figueira equivale, em termo de conforto térmico e de estabilização da temperatura, a três condicionadores de ar.

Engenheiro defende substituição das árvores

Novaes defende a substituição programada das figueiras. Ele destaca que se a cada ano substituírem 5% das árvores, daqui duas décadas uma nova vegetação vai existir no local sem as pessoas notarem a diferença. “Mas para isso a prefeitura tem que ter um controle de poda”, argumenta.

A sugestão do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Joinville (Ippuj) é coerente com a da Fundema. Vladimir Constante, diretor executivo do Ippuj, também vai ilustrar algumas sugestões e ouvir o posicionamento da comunidade. Segundo ele, existe um direcionamento técnico para trocar as árvores, pois a figueira é uma espécie que não dá pra ficar no local.

Outro problema apontado por Vladimir é a tubulação de gás. No entanto, Rogério diz que não há nenhuma comprovação de que as árvores estão colocando em risco a rede de gás da SCGás. “E se existir um problema é porque foi imposto pela própria companhia”, afirma. Ele conta ainda que essa rede de gás foi colocada na avenida Juscelino Kubitschek e Getúlio Vargas sem conhecimento do que há embaixo do solo. “Eles fazem furo no chão sem avaliar”, lembra.

Depois de ouvir a comunidade e especialistas, o governo deverá fazer uma análise das sugestões. Ano passado já tinham pedido o corte das árvores, mas uma decisão judicial impediu a derrubada.

8 comentários:

Anônimo disse...

Na frente do Big da beira-rio, do outro lado da rua, ao lado do rio tem uma cerca viva. Essa planta chama-se malvavisco. Fica com até 3 ou 4 metros de altura, e é fácil controlar e podar. Aos poucos pode-se cortar as árvores que mais incomodam(não todas de uma vez, por favor)e ir plantando o malvavisco. Ela cresce rápido e fará uma boa sombra para os motoristas mais tarde. Até algumas espécies de bambú ajudariam. Gostaria de saber quem foi o inteligente que plantou esses Ficus. ô falta de visão, ^não sabia que ia dar nisso? Ou já fizeram pensando em quanto ganhariam consertando o estrago mais tarde? O malvavisco é barato, cresce rápido, não cria raízes que destróem asfalto, dão flores que alguns pássaros adoram e podar ou mesmo cortar é fácil. Recentemente podaram a cerca-viva da beira rio, com uma simples motoserra(2 homens apenas)e a deixaram muito bonita. ô prefeitura, palnte idéias duráveis, não futuros prejuízos.

José Mario disse...

Concordo com o engenheiro Rogério Novaes, concordo com ele plenamente em tudo o que afirma, realmente não há nenhuma prova de que as raízes possam causar danos ao gasoduto que passa por ali, afinal nada explodiu ainda, vamos esperar gente, pode ser que nunca exploda...Rogério afirma ainda que podas poderiam manter as árvores num tamanho razoável, sugiro mais... A prefeitura tem que contratar um japonês para fazer bonsais de todas elas, afinal elas são criancinhas ainda, têm só dez anos, com boas podas chegarão aos cinqüenta anos com meio metro de altura e nenhuma raiz... Quanto aos condicionadores de ar que as figueiras substituem eu confesso que não captei bem a idéia, condicionadores de ar esfriam ambientes esquentando o meio ambiente, no somatório de tudo não esfriam nada... Há...Já sei...As figueiras esfriam a cabeça do Rogério e esquentam a cabeça do prefeito, do IPPUJ, da FUNDEMA... De todos nós que vemos elas crescendo de forma inacreditável, mesmo com aquelas podas que estão fazendo que deixam as coitadas sem galhos nem folhas... Rogério não deve estar dando boas risadas dos apuros da administração. Vamos ver as coisas pelo lado bom gente, esse prefeito está demorando para cortar as árvores e isso pode causar um desastre, mas o tal engenheiro Rogério não se elegeu, não chegou nem perto... Ainda bem, não?

Anônimo disse...

Conforme post anterior, vai aí os (ir)responsáveis pelo plantio das figueiras em contrariedade aos preceitos técnicos de arborização urbana: Luiz Henrique da Silveira, Bráulio Barbosa, Osmar Arcanjo de Oliveira e Jordi Castan (este ultimo consultor tecnico comissionado e vendedor das mudas).

José Mario disse...

Eu já havia ouvido falar que o tal Jordi havia vendido as mudas para a prefeitura numa transação não muito esclarecida, o que eu não entendo é como o tal cidadão, ao invés de sumir bem quietinho, ainda fica polemizando na imprensa, querendo ainda orientar a questão. Quero ver se ele vai estar lá na audiência pública, o município deveria processar o dito cujo.

Anônimo disse...

Concordo. Porém acredido que não exist um competente na Gestão do Carlito par nos dá um parecer coerente e fundamentado sobre o tema.

Anônimo disse...

ACHO QUE MAIS IMPORTANTES QUE PODAR AS FIGUEIRAS, TROCAR AS FIGUEIRAS É OBEDECER AS LEIS, PRESTAR CONTAS, COISAS QUE ATÉ AGORA O CARLITO NÃO FEZ. CORRUPTO.

Daniela Lima disse...

Segue a minha abordagem sobre o assunto, espero que após a leitura quando passar por uma árvore, não veja somente uma árvore, mas todo conjunto de relações da qual ela participa:

As Funções de uma Árvore, relacionadas com o Caso das Figueiras Exóticas Ficus benjamina em Joinville/SC
http://conscienciacomcienciaa.blogspot.com/2009/08/as-funcoes-de-uma-arvore-relacionadas.html


Bom domingo!
Daniela Lima

Anônimo disse...

A saude uma merda,,,,e esses politicos de M,,,,,preocupados em cortar ou nao as arvores,,,corta e planta outra,,vida eh uma so,,bando de incompententes,,,