Entrevista com Nereu Martinelli: “O JEC sobrevive sem a Arena. Mas a Arena sem o Joinville não sobrevive”

Gisele krama
giselekrama@gazetadejoinville.com.br

Depois de ligar para Carlos Alberto Parreira e cumprimentá-lo por uma viagem, Nereu Martinelli, presidente do Joinville Esporte Clube, concedeu entrevista para a Gazeta de Joinville. Ele falou sobre a importância da vaga na série D para o time e da polêmica envolvendo o vereador James Schroeder (PDT). Ainda comentou sobre os respingos do escândalo causado pelo ex-prefeito Marco Tebaldi que queria comprar uma vaga na série C para o clube.

Comando do Joinville
Não estou no Joinville por interesse nenhum, muito pelo contrário, eu sou o segundo maior credor do clube. Significa que coloco dinheiro lá para pagar salário. É paixão pelo time, de uma pessoa que não é joinvilense. Sou Sideropolitano, do Sul do Estado.

Diretoria do JEC
Nós temos lá hoje gente da diretoria e que eram torcedores fanáticos. Era muito bom em dia de jogos ficar sentado numa cadeira confortavelmente, ver os onze atletas entrar em campo, aplaudir ou vaiar. Mas ninguém sabe o trabalho que dá para fazer isto. O que é para você largar a empresa na quarta-feira à tarde para ir a Florianópolis apanhar do Avaí. Voltar de cabeça inchada à noite. Não precisava isso.

Importância do Joinville
Eu sempre falo assim: o Joinville é um problema social. Dirigente está no clube ou por amor ou por interesse. Não há meio termo. Se tiver alguém que é empresário do futebol, o interesse está em fazer negócio, em ganhar dinheiro com os jogadores. O Rainor vai montar uma equipe. Para ele é um negócio: vender jogador e ganhar dinheiro. O futebol hoje movimenta mais recursos do que muitas empresas.

Negócio do Joinville
Pro Joinville é negócio quando ele consegue revelar e vender atletas. Todos os dirigentes do JEC são empresários e que doam o seu tempo para o time. Nenhum deles têm interesse em nada. Eu sei da importância do time para a imprensa de Joinville, para o meio esportivo principalmente. O Joinville é gerador de emprego e renda. Em dia de jogo você vê aquelas pessoas vendendo pipoca, churrasquinho.

Polêmica da Arena
O Joinville hoje tem uma responsabilidade muito grande para movimentar o equipamento. Infelizmente alguns vereadores da cidade não entenderam a proposta do meu cunhado, que é uma boa pessoa, James Schoereder, para o JEC administrar a Arena. Não é o Joinville ser dono da Arena. A Arena sempre vai ser do município. O que é administrar a Arena? Dar vida para aquilo. Você tira a Fundação de Esportes e o que tem lá? Tem uma loja do Joinville que vai ser inaugurada daqui uns dias. Não tem nada. Tá lá com a Arena infiltrada e promessas de que iam fazer restaurantes. Não tem nada. A proposta do James não é minha. Não fui eu quem entrou com a proposta, embora eu seja favorável. Acho que esse projeto não vai passar na Câmara. Alguns vereadores se quer leram o projeto e já se manifestaram contra. Claro que aí é interesse político.

Objetivo do Joinville
O sonho do Joinville não é ser dono da Arena. Não é e jamais será. Os outros diretores que virão terão o mesmo intuito, dar vida para a Arena. O Joinville é o dono do espetáculo, mas não recebe nada. Não recebe nada pelos bares, arrendados pela Felej. O Joinville não ganha nada.

Situação da Arena
Hoje, vou falar uma coisa, se alguém me pedir para conhecer a Arena eu vou. Eu levo para conhecer o gramado, a visão principal, os vestiários e a entrada. Porque se for ver a Arena hoje o que tem é infiltração. Se eu fosse vereador, eu seria o primeiro a aprovar. É a claro que a Felej também iria receber uma parte do que o JEC iria auferir. Se não do jeito que está lá quero ver no que vai dar.

Medo do Caxias
Não. Eu gosto muito do pessoal do Caxias. Eu conheço as pessoas que estão no Caxias. Eu estive lá. Sempre me dei muito bem com o pessoal do Caxias. Hoje está na frente do time uma pessoa que eu me dou bem que é o José Wilson. Se os interesses não forem eleitoreros, tomara que não sejam, eu acho que é uma atitude muito corajosa. Hoje é difícil ter um projeto no futebol profissional se não tiver investidores. É muito difícil. Se eu fosse sócio do Caxias, ou conselheiro, eu venderia aquele patrimônio. Eu construiria um estádio num bairro de Joinville. O Caxias precisa se popularizar, formar torcida pequena, torcida jovem. O time possui poucos torcedores e torcedores antigos. Muitos caxienses viraram jequeanos. Não adianta construir um estádio para 17 mil pessoas. É besteira isso. O time não vai seguir o projeto com dois mil sócios.

Relação do JEC com o Caxias
O Joinville tem que ser grato ao Caxias por ter cedido o espaço por tantos anos. O Caxias descansou por 30 anos e deu espaço ao Joinville. O Caxias está tentando voltar. Não atrapalha em nada. Acho muito difícil dois times profissionais sobreviveram na cidade se não tiver investidores. E o que é vital para qualquer time é ter um quadro associativo muito grande. Estamos chegando este final de mês (outubro) próximo aos cinco mil associados. Nós esperamos até o final do ano com a projeção dos seis mil sócios. Aí já garante pro Joinville um calendário para 2010.

Time do Joinville rende
Não. Embora nós tenhamos começado os trabalhos cedo. Nos preparamos para isto. Contratamos o que tinha de melhor disponível no mercado. Jogadores que estão atuando. Alguns de série B e a maioria de série C e série D. Mas a base que a gente manteve. E começamos bem. Nós temos uma coisa importante que é a reposição de atletas, que é importante para o futebol. Temos a opção de buscar quatro jogadores do Cruzeiro, dentro daquela parceria com a venda do Ramirez. E com certeza, depois da Copa Santa Catarina, modificações são necessárias.

Problema com jogadores
Jogar no Joinville é difícil. É uma torcida exigente e uma imprensa que exige. Os jogadores não estão acostumados a jogar num grande centro. Joinville é um grande centro. Tem uma imprensa forte. É difícil. Eles não têm uma estrutura emocional para poder agüentar a camisa do Joinville.

Relação com a imprensa
A relação da imprensa comigo é a melhor possível. E quando contratei o Borba para ser assessor de imprensa disse para ele o seguinte: trate a imprensa da melhor forma possível. No ano passado tivemos alguns problemas com a imprensa. Mas problemas normais. A imprensa tem que ter a liberdade de fazer e pensar. Desde que não atinja a parte pessoal do treinador e do atleta. Agora mexer na questão particular é complicado.

Compra de vaga
O Tebaldi estava muito mal orientado. Aquela reunião trouxe para o Joinville muitos prejuízos. Primeiro: reunião de conselho quem tem que participar são conselheiros. E naquele momento, na intenção de ajudar o Joinville, o ex-prefeito mencionou “vamos comprar a vaga”, eu estava lá. Aquilo respingou muito mal na CBF. Aquilo soou muito mal. O nome do Joinville ficou marcado negativamente. Política e futebol não têm como conviverem juntos.

Felej e JEC
Eu conheço o Jorge Nascimento desde criança. Conheci os pais deles. Tenho um afeto muito grande por ele. O que eu acho ruim é eles terem liberado duas partidas do Copão na Arena. Porque a Arena está com um gramado horrível. A Felej e o Joinville têm que conversar. A Felej é responsável pela administração da Arena e o Joinville pelo gramado. Então tem que conversar. Isto não custa. O que o Joinville quer da Felej é um espaço maior. É isso que nós queremos. Embora tenhamos conseguido um espaço para fazer uma loja legal. Não existe hoje uma briga. É sim cada um luta por seu espaço. Uma briga saudável. Uma coisa posso garantir: a Arena sem o Joinville é um lugar morto. O nosso contrato com a Felej vence em novembro. Acredito que a Fundação e o Joinville vão se entender.

Arena depende do Joinville
A Arena existe hoje em função do Joinville Esporte Clube. O que o Joinville precisa hoje, vai fazer isto, construir um centro de treinamento novo. O Joinville sobrevive sem a Arena, mas a Arena sem o Joinville não sobrevive.

Vaga para série D
Essa vaga para essa bendita série D não sabe a importância que tem. É importante ser campeão, mas o que interessa mesmo é a vaga para a série D. Não é fácil trabalhar no futebol de Joinville. Mesmo assim, o Joinville é uma equipe muito respeitada ainda no Brasil. Não sei de quem é esta missão. Mas Joinville precisa voltar a pelo menos para a série B do Campeonato Brasileiro.

12 comentários:

Guto disse...

O JEC nao pode administrar a Arena, mas para jogar "peladas" e "torneio do boi" isso sao liberadas facilmente, e ainda tem o jogo dos "amiguinhos"....francamente, falta um pouco de visao administrativa.

Augusto Coutinho disse...

O JEC sobreviver? O JEC tá morto faz tempo. a Arena Joinville deveria ser destinada para a farra do boi ou então para aquela vereadora evangélica ficar cantando assim: Mamãe, mamãe, mamããããe.

Anônimo disse...

SE O GOVERNO FOSSE SÉRIO TERIA INVESTIDO ESSE DINHEIRO NA SAUDE
CONSTRUIDO NO MINIMO 2 HOSPITAIS
PARA NOSSA CIDADE.MAS COMO SEMPRE OBRAS SEM FUNDAMENTOS E NOSSO DINHEIRO JOGADO NO LIXO
E O POVO APLAUDE,SÓ QUE NAO PARA PRA PENSAR QUE SE FICAR DOENTE VAI PRO CORREDOR DA MORTE POIS NAO TEMOS ESTRUTURA NA AREA DA SAUDE

sergio disse...

parabéns nereu e parabens vereador james. Votei no mauricio peixer. soube que ele é contra seu projeto. por isso pode contar comigo

Edson disse...

Parabéns Nereu... Também sou Sideropolitano e esta ano estou completando 31 anos de Joinville e de JEC... amo este time,,, todos os jogos estou lá... fiquei 6 meses ou mais pagando minha mensalidade de socio cadeira e de meu filho justamente apostando em gente como você, que sabe o que quer, sabe o que é bom... Agora, estes ciadãos que se dizem " joinvilenses ..." e que acham que o JEC não pode administrar a arena... hum ! acho que eles deveriam ir administrar algum orgão municipal lá em Ibirama... nada contra o pessoal de Ibirama... mas nem lá serviriam... Mais uma vez, Parabéns Nereu...

Osmar disse...

É patrimonio público , construido com dinheiro público , portanto todos tem que ter acesso !!!!
Porque só o Jec tem previlégios nessa cidade ?
Só oq faltava agora , construir com o nosso dinheiro , e terceirizar para uma entidade privada.
Uma teta dessa eu também quero !!!

Radioatividade disse...

QUERIA DEIXAR MINHA OPINIAO: PQ SERÁ Q O TIGRE SOBREVIVE EM UMA CIDADE DE 200 MIL HABITANTES E O JEC NAO, E JOINVILLE E GRANDE EINNN 500 MIL HABINTANTES...

Anônimo disse...

O Jec já deu uma demonstracão de de como sabe administrar um estadio de futebol. É só dar uma passadinha ali no Ernestão e ver o resultado. É muita incompetência! Deixa assim.

Anônimo disse...

DEMAGOGIA BARATA
SE EM TODA SUA ESISTENCIA NAO CONSEGUIU NEM CRIAR UM CT
E TA AE CAINDO PELAS TABELAS
JEC É UMA VERGONHA
MAL ADMINISTRADO A ANOS
PQ NÓS TEMOS QUE BANCAR MEIA DUZIA DE MALANDRO LA SE FARTANDO

Osmar disse...

È VERDADE, OS CAXIENSES ESTÃO COMENDO O PÃO QUE O DIABO AMASSOU PARA RECUPERAR O ERNESTÃO , SERÁ QUE VAMOS PERMITIR QUE ACONTEÇA O MESMO COM A ARENA ???
uma perguntinha que não quer calar; que fim levou o terreno (Brejo)que entrou naquela transação com aquele que o jec ganhou do estado ali na rua Santa Catarina.
Sr. Nereu esta mais que na hora do JEC ter sua própria casa e parar de viver de favores.

Anônimo disse...

Olá pessoal, acho que quem não conhece a historia do JEC deveria ficar quieto.

Osmar disse...

Qual é a história do JEC ?
Um clube que depois de 33 anos contando com os melhores patrocinios . Bingões milionários , JEC Ouro grandes negociações etc , sequer tem uma sede social ! É essa história?
Tem uma grande torcida é verdade , mas não se iludam , uma parte é torcedor do JEC, outra é joinvilense que gosta de futebol e vai torcer pelo time que estiver representando a cidade.
Sou torcedor de Joinville e por isso eu continuo dizendo;
está na hora de parar de depender dos de favores , o JEC precisa ter sua própria casa !!!