Acordo de compadres deixa Carlito refém das empresas de ônibus

Da redação
redacao@gazetadejoinville.com.br

Após quebrar uma de suas principais promessas de campanha – de que não haveria aumento da tarifa de ônibus – e autorizar em maio de 2009 o aumento da passagem de R$ 2,05 para R$ 2,30, porém oferecendo como uma espécie de compensação a gratuidade para idosos entre 60 e 64 anos, o prefeito Carlito Merss (PT) acaba de ser traído pela Gidion e Transtusa, permissionárias do transporte coletivo em Joinville. Sem esquecer que o petista autorizou o aumento acima dos níveis de inflação, aceitando sem contestação todos os custos apresentados em planilhas das empresas.

A tarifa não aumentava desde agosto de 2007. Desta data até abril de 2009, a inflação foi medida em 9,91%, segundo o Índice Nacional de Preço ao Consumidor (INPC). Portanto, Carlito concedeu aumento de 2,29% a mais. O reajuste causou a saída do então secretário de Infraestrutura Nelson Trigo que não concordava com o processo por não achar confiáveis os números das empresas.

Há poucos dias, o prefeito viu quebrado o que chamou de acordo feito com as empresas para conceder a isenção de tarifa aos idosos. Gidion e Transtusa, através do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Santa Catarina, mostraram a face cruel da história e ganharam na Justiça, o direito de cancelar a gratuidade. Com isso, quem tem entre 60 e 64 anos, desde segunda-feira (12), estão obrigados a pagar passagem. O que se percebeu é que por ser um acordo realizado praticamente por “baixo dos panos”, o petista ficou de “joelhos” para as empresas e não conseguiu reverter a ação das mesmas, pois a Justiça indeferiu a ação da Prefeitura que pedia a continuidade do benefício.

Deputado move ação popular pedindo fiscalização

O deputado estadual Kennedy Nunes (PP) entrou na briga e luta na Justiça pela redução da tarifa de R$ 2,30 para R$ 2,25, já que Carlito deixou claro em um veículo de comunicação da cidade que tinha arredondado o preço da tarifa por causa da isenção aos idosos. Na segunda-feira (11), Kennedy protocolou uma Ação Popular na Vara da Fazenda de Joinville, solicitando que a Justiça obrigue a prefeitura a fiscalizar as empresas de transporte coletivo e verificar os dados emitidos por elas nas planilhas, como número de passageiros e gastos com empregados, combustível e manutenção dos ônibus.

“O prefeito Carlito Merss está, no mínimo, cometendo prevaricação. Se os dados não forem fiscalizados não existe fé pública”, alerta Kennedy. De acordo com o deputado, com o “copia e cola” (linguagem de computador) que a prefeitura faz em cima dos dados das empresas, as mesmas Gidion e a Transtusa ficam livres para colocarem qualquer valor nestas planilhas. E sem a fiscalização, o reajuste é feito sem a utilização de dados confiáveis. Conforme Kennedy, isso pode ser considerado improbidade administrativa.

A versão das empresas As empresas concessionárias do transporte coletivo de Joinville, Gidion e Transtusa, reiteraram, através de sua assessoria de imprensa, que a planilha apresentada no início de 2009 demonstrava uma tarifa de R$ 2,40, sem considerar os idosos. Naquele período, segundo as empresas, ainda não se falava sobre a gratuidade entre 60 e 64 anos.

11 comentários:

Minha missão , meu sonho ! disse...

não sei como tu teve coragem de apoiar esse mentiroso nas eleições!

Anônimo disse...

Os empresarios querem acabar de uma vez por todas com qualquer possibilidade de uma reeleição do prefeito Carlito Merss e não vão medir esforços pra que isso reaslmente aconteça, desde 1996 os aumentos concedidos pelos ex-prefeitos sempre forma acima da imflação, cade o Ministério Publico, cadê os defensores do Povo, Os empresarios mandam e desmandam, o transporte coletivo em joinville rtem que ser caro mesmo, afinal de contas tem muito politico que se diz defensor do povo que mama ness teta também, enquanto o povo não se unir e por um ponto final nisso, esse maldito monopolio vai continuar por longos anos ainda, e os proximos prefeitos vão fazer de tudo pra que isso aconteça.

Anônimo disse...

Em termos de transporte coletivo joinville é uma piada.

Na maior cidade do estado de Santa Catarina não tem cobrador, se paga caro na passagem e ainda por cima temos a passagem embarcada ao preço de R$ 2,70. E os empresarios ainda dizem que não tem lucro ou que trabalham no vermelho, o que tá faltando em Joinville é um governo que tenha coragem de bater de frente com os poderosos do transporte coletivo de Joinville e os ditos grandes politicos que não fazem outra coisa senão trabalhar para que esse maldito monopolio nunca acabe aqui em Joinville.

Anônimo disse...

Gostaria de saber quem realmente governa aqui em Joinville, uma coisa eu sei, O Carlito Merss nunca mais vai ser eleito aqui em Joinville, nem pra sindico de prédio, cargo que já ocupou mas que deixou marcas que ninguém esquece.

Prefeito Trate bem dos Camelô porque logo o Senhor será um de nós.

Dutra disse...

A justiça no País cambalheia a passos largos, onde inumeros processos são abertos contra os poderosos mas não há punição, a pena geralmente é cestas de alimentação ou serviços comunitários ainda escolhidos a dedos pelos réus, ex. o ex- tesoureiro do PT que escolheu o que queria fazer, Será que a justiça anda de braços dados com os poderosos? tudo neste pais se move pelo interesse politíco, e o povo tem que deixar de ser burro, lembrando que o político reflete o povo, se o político é desonesto é porque o povo também o é, esta questão de empresas de ônibus é uma vergonha a nivel de Brasil, a maioria das cidades brasileiras possuem uma ou duas empresas que exploram ao seu bel prazer, fiscalização não existe e nem vai existir, parece-me que a única preocupação dos partidos políticos é de assumirem o poder para dividirem os cargos públicos,para finalizar deveria ser proibido empresa que detem concessão pública de doar verba para campanhas eleitorais, será que é por isso é que muita gente fica de boca fechada?

Mauro Fonseca disse...

Prefeito, para corrigir a Lei Municipal 6433/09, pois, houve vicio formal de iniciativa (isso quer dizer, a lei aprovada foi de iniciativa do poder legislativo), sendo o correto, ser proposta pelo Poder Executivo.
Em resumo, enviar um Projeto de Lei, que encontra respaldo no Estatuto do Idoso e, os vereadores aprovam URGENTEMENTE.
ACORDA PREFEITO e sua equipe.....

Leonir Cesar disse...

Nessa novela da passagem de ônibus em Joinville, só o Kennedy da à cara para bater, é só ver os comentários dos joinvillenses, todos com o nome de ANÕNIMO, todos esses anônimos também tem o rabo entre as pernas, vão criar coragem e colocar o nome.

Pedro Bogo disse...

nao entendo o silêncio dos vereadores.
será que os valores que as empresas de ônibus lhes dão vale mais do que assumir uma bandeira popular e legítima ? .
nenhum vereador é capaz de se insurgir contra:
1) a falta total de fiscalização
2) a falta de subsídios
3) a propaganda nos ônibus que não subsidia o valor das passagens
4) o fato de serem apenas duas empresas que obteram a concessão sem concorrência.

Anônimo disse...

MUITO FACIL ACAABR COM ESSA ROUBALHEIRA
LICITAR, SE AS EMPRESAS QUE AE ESTAO DIZEM QUE NAO TEM LUCRO ENTAO LICITAR, COM CERTEZA VAI VIR EMPRESAS DE FORA E DAE ACABA COM A FARRA DESSES QUE AE ESTAO
MAS ISSO DEIXARA MUITOS POLITICOS SEM CERBA PRA SUAS CAMPANHAS TBEM
POIS ESSAS QUE AE ESTAO BANCAM DESDE GOVERNADOR ATÉ VEREADORES

ACORDA CARLITO

OU SERA QUE VC TBEM TA NESSA?????

Rodrigo Meyer Filho disse...

Como fazer para evitar acordos assim?
Tem 2 caminhos, aliás 3 .
O primeiro seria o Ministério Publico começar a exercer seu papel de representante da sociedade e exiugir as planilhas da prefeitura.
O segundo caminho seria atraves da Câmara de Vereadores que estranhamente esta calada.
Por último sobrou a imprensa.
Por enquanto só parte da imprensa e o deputado Kennedy tem se manifestado.

Lula disse...

O fato é um só...O monopólio tem que acabar. Há mais de vinte anos em Joinville e vejo a mesma cena se repetir. Não tem nada haver com o Carlito como uns ignorantes são levados a acreditar. Os empresários dos BUZÃO já deram nós em vários prefeitos e vereadores comprometidos com o povo. Mas com certeza nasceram de uma candidatura. Plebiscito já!!!